DÉBORA – Juíza, profetisa e guerreira.



“Ela tinha sua sede à sombra da palmeira, entre Rama e Betel, na montanha de Efraim, e os israelitas vinham a ela para obter justiça (Juízes 4,5)”

Profetisa, juíza, sábia e grande guerreira, Débora é a única mulher da Bíblia que conquistou com seus próprios méritos posição de liderança e levou seu povo a ganhar uma grande batalha. Todavia, permanece pouco conhecida, mesmo entre o público feminino.
Quem é essa personagem fascinante que teve tanta autoridade no seu tempo?
Débora era uma juíza muito respeitada na solução de disputas. Os juízes bíblicos faziam cumprir a legislação da época e também tinham função militar. Normalmente, eles eram pessoas mais idosas que assumiam a função de chefiar e libertar o povo.
A Bíblia afirma que a juíza costumava sentar-se debaixo de uma palmeira na montanha de Efraim, ao norte de Jerusalém, onde julgava e distribuía conselhos.
No século 12 a.C., ela liderou a vitoriosa revolta israelita contra os cananeus, povo que vivia há muito tempo em Canaã. Vamos conhecer um pouco mais sobre Débora.

SOCIEDADE TRIBAL

Débora pertence às origens do povo de Israel, nos tempos em que os povos viviam em tribos, longe dos reis das cidades-estado ou resistindo a eles.
Eles formavam uma sociedade sem centralização política, sem cobrança de tributos e escravidão. Os camponeses detinham a posse coletiva da terra e viviam de forma justa e igualitária.

Vou ser mais objetivo. A história do triunfo dessa mulher é contada no Livro de Juízes, em prosa e também em poesia no Cântico de Débora, considerado um dos relatos bíblicos mais antigos. Débora foi uma grande liderança guerreira quando os hebreus ocupavam as terras dos cananeus.
Isso significa que, nessa época, houve espaço para outras mulheres ocuparem esse papel revolucionário, mesmo não sendo rainhas.

Durante 20 anos, os israelitas vinham sendo oprimidos pelo cananeu Jabin. Orientada por Deus, Débora mandou chamar o comandante Baraque, da tribo de Neftali, e orientou que ele reunisse seus homens para uma batalha.
Seu papel decisivo relacionou-se à organização tribal que mais tarde gerou o Estado de Israel, e essa meus caros, foi a primeira coligação das tribos contra o inimigo.

Débora atuou como mensageira de Deus e foi ativa no cumprimento de sua profecia. A juíza lutou contra o exército cananeu de Sísara. Era extremamente respeitada, tão respeitada que Baraque, ao ser convocado, respondeu que só assumiria o compromisso se ela fosse junto (Juízes 4,8).
“Está bem. Eu vou com você”, respondeu Débora. “Mas a glória dessa expedição não será sua, pois Javé entregará Sísara nas mãos de uma mulher.”
A juíza acertou em cheio: quem sai vitoriosa é Jael, que lutara ao lado de Baraque.

VITÓRIA FEMININA – Após combate, Jael levou Sísara para sua tenda e o matou.

Débora e Jael são louvadas como heroínas no Cântico de Débora por serem as responsáveis pela vitória israelita. Mesmo sendo uma mulher casada, Jael convidou o general Sísara para entrar em sua tenda. Cobriu-o com um tapete e deu-lhe de beber.
Então ele lhe mandou vigiar a porta da tenda. Quando o general dormia profundamente, ela o matou, cravando uma estaca em seu peito com a ajuda de um martelo. Sim, ela é uma assassina, mas mesmo sendo assassina ela é abençoada por ter matado o inimigo em nome dos camponeses.

Jael é apresentada como corajosa e salvadora. Mais do que todas as mulheres que habitam em tendas, ela será bendita, diz a Bíblia (Juízes 5,24).
Era linda e, por isso, conseguiu atrair o general para sua tenda, segundo tradições antigas. Alguns midrash(textos sagrados do judaísmo) entendem que Jael liquidou o inimigo depois de fazer sexo sete vezes com ele.

O assunto é discutido em várias passagens do Talmude(é um registro das discussões rabínicas que pertencem à lei,ética, costumes e história do judaísmo. É um texto central para o judaísmo rabínico, perdendo em importância apenas para a Bíblia hebraica).
Certos rabinos antigos se perguntavam se ela teria apreciado as relações com o homem e concluem que ela só teria feito isso para matá-lo.
Para alguns, ela realizou um ato mau por uma boa razão. Não por acaso, Jael quer dizer cabra selvagem em hebraico. E vocês, o que acham?

SUPREMACIA FEMININA

No combate, o general Baraque organizou suas tropas e destruiu o inimigo seguindo as indicações da juíza.
Débora era a responsável política para assuntos militares e Baraque era seu general ou chefe de estado-maior. Ela é o cérebro, a iniciadora e a inspiração, ao passo que ele é o segundo em comando e braço executivo.
O general inimigo imaginava que, com um exército equipado com 900 carros de ferro, aniquilaria facilmente os homens das tribos israelitas rebeladas.

No entanto, quando o exército de Sísara se aproximou, ela ordenou o início da batalha, porque sabia que o clima estava do lado dos israelitas.
Assim, uma grande tempestade atolou os carros de Sísara e seu exército foi destruído. O adversário, então, fugiu.
Mas foi morto por Jael na tenda onde se refugiou (como expliquei no tópico anterior).
A vitória significou o fim do poder do rei Jabin sobre os israelitas e como está na Bíblia: “a terra descansou 40 anos” (Juízes 5,31).

AS ESTRELAS LUTARAM – Débora era uma delas.

O texto não fala como Débora teria premeditado o futuro. Pode ter sido por meio de sonhos ou de algum anjo. Ela apenas alega ter recebido orientação divina.
O canto com seu nome exalta a vitória dessa batalha: “Do alto do céu, as estrelas lutaram, de seus caminhos, lutaram contra Sísara. A torrente do Quison os arrastou” (Juízes 5, 20-21).

Os estudiosos, leia-se principalmente teólogos, garantem que a canção é muito antiga, mas não dá para afirmar se foi realmente escrita pela profetisa.
Líder tão carismática e com poderes proféticos como Débora não é encontrada em nenhum outro relato bíblico.
Débora teve mais controle do que qualquer outro juiz, não sou quem diz isso, mas o Livro de Juízes.

Por ironia do destino, a grande juíza foi injustiçada ao longo da História, assim como Maria Madalena (uma postagem mais antiga). Até hoje ela não recebeu as devidas honras.
Deixá-la no esquecimento revela não apenas uma desatenção com uma personagem importante, mas também mostra um cuidado para que outras mulheres não se espelhem nela.
Mesmo entre cristãos e judeus, poucas mulheres conhecem sua biografia, até mesmo porque deve ter sido difícil para eles admitir que uma juíza tenha superado todos os homens que exerceram o mesmo papel.

ARROGANTE E INSOLENTE

Os homens ficaram desconfortáveis com uma liderança feminina, criaram argumentos para que Débora não se tornasse exemplo de conduta.
O Talmude frisa que ela era arrogante: “A insolência não é benéfica para a mulher... ela mandou chamar Baraque em vez de ir até ele”.
Essa reprovação também pode ser vista no midrash(texto sagrado do judaísmo) Soher Tov: “Maldita a geração cujo líder é uma mulher”.

Se analisarmos essa frase para os dias atuais, coitadas de Angela Merkel(Alemanha)  e Michelle Bachelet (ex-presidenta do Chile).
Para muitos especialistas, sua figura precisa ser resgatada. Débora é um exemplo de mulher, porque não é submissa como Eva (última biografia). Ela se impôs e fez prevalecer sua presença, representa todo o sonho de mulher lutadora, que acredita e abriga dentro de si a certeza de que com Deus ao nosso lado venceremos.   

18 comentários:

  1. Olha, na Bíblia, não me lembro de ver Jael lutando ao lado de Baraque e muito menos ela ter matado Sisera com uma estaca no peito, mas na testa, na fronte (Juízes 4:21). Se eu estiver errada, por favor, me dá a referência para que eu possa aprender mais.
    Grata.

    ResponderExcluir
  2. Você está certa Iris e agradeço sua participação. A Bíblia que tomei por base para escrever o post foi a Bíblia Inglesa, mas as outras traduções referem-se justamente a passagem que você citou, especificamente Juízes 4,17-24 (justamente o versículo 21.
    Tomei por base desta vez a Ave-Maria e a de Jerusalém e as duas apresentam a fronte/têmporas.
    Muito obrigado pela sua participação e és muito bem-vinda, se possível sugira postagens, abraço.

    ResponderExcluir
  3. Bom dia é incrivel chamo me Débora e esta historia faz me pensar,neste momento sou segurança e luto para proteger as pessoas,fui militar durante alguns anos,na artelharia anti aerea,e engraçado pareço andar aos passos desta mulher ou o nome Débora ja incentiva a uma mulher de armas? Por acaso ja tinha lido um pouco a sua historia na biblia,de qualquer forma é bastante curta e desconhecia a parte de juiza,so mesmo o de guerreira...

    ResponderExcluir
  4. Bom dia. É verdade, o nome Débora possui uma simbologia muito forte: determinação.
    Não que incentive uma mulher com armas, mas vai além disso, incentiva a vencer os próprios limites.
    A história de Débora realmente é muito positiva, pois nos inspira confiança e lutar por objetivos com convicção em vencer.
    Obrigado pela participação, abraço e se possível sugira postagens.

    ResponderExcluir
  5. como e quando morreu debora ,por favor me esclareça
    nao vejo nada sobre o assunto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha infelizmente não encontrei nenhum registro que fale sobre a morte de Débora, mas continuarei a procurar, quando encontrar postarei neste artigo. Obrigado pela participação e volte sempre! Fraterno abraço.

      Excluir
  6. Jael cravou a estaca na fonte de Sisera e nao no peito cm esta escrito no texto.Juizes 4-21

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela correção. Vou ajustar o texto o mais rápido possível. Volte sempre ao blog e contribua sugerindo postagens. Fraterno abraço.

      Excluir
  7. Olá, também me chamo Débora e quando li o texto me identifiquei bastante. Muitas pessoas já me disseram que Débora é um nome abençoado.
    "Coragem mulheres,a conquista não está na vulgaridade e comportamentos levianos, tomem o exemplo da "Juíza e profetiza Débora" conquistem boa reputação, respeito e sabedoria e certamente será destaque.

    ResponderExcluir
  8. bem sou evangelica e pastora, estudo teologia e nem um lugar ouvi dizer sobre Jael ter se deitado com o comandante Sicera ate porque ele estava exausto e preocupado em ser morto não teria condições psicológicas de ter relações sexuais com uma mulher e esposa de Heber que também era comandante e guerreiro, ele não seria louvo, são fontes que me preocupo de tantas eresias que estão a correr por estas internet da vida, não concordo e por favor se quer algo mais solido busque nas biblias evangelicas que tem mais segurança e são pesquisadores de auto níveis teológicos.

    ResponderExcluir
  9. mas gostei muito do seu comentário até porque gosto muito de pregar sobre Debora e amei a sua forma de visualizar a sua escrita, fácil de ler e entender, tem muito conteudo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sempre bom ter opiniões divergentes nos vários aspectos da história, isso mostra o quanto temos ainda que aprender. Obrigado pela sua participação. A paz para a senhora.

      Excluir
  10. Eu, como sou uma leiga, gostei muito de ler e saber da história da Débora e de Jael, não sabia nem que elas existiram. Acho mesmo que a sociedade ainda é muito machista, não só nos tempos passados....

    ResponderExcluir
  11. Muito interessante essa pastagem me ajudou muito fiquei sabendo de Débora em uma pregaçao de isa reis. Amei está história, mas queria saber se ela era uma simples mulher ou tinha parentesco com a realeza da época

    ResponderExcluir
  12. poderia me ajudar, criando um suposto problema, na qual debora sempre jugava em baixo da palmeira?? tenho uma peca a apresenta,mas no roteiro ta falando essa parte,me ajude pfv.

    ResponderExcluir
  13. poderia me ajudar, criando um suposto problema, na qual debora sempre jugava em baixo da palmeira?? tenho uma peca a apresenta,mas no roteiro ta falando essa parte,me ajude pfv.

    ResponderExcluir
  14. prezado amigo, muito bom o seu texto, mas fiquei surpreso ao ler quando você fala da força das mulheres líderes na Alemanha e Chile. Esqueceu-se de falar de nossa presidente Dilma Rousself. Se o texto foi postado antes de seu governo agora é a hora de retomá-lo para falar desta senhora distinta que foi tão corajosa quanto Debora ao enfrentar os Sisares da vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado JC Marcolino pelo comentário. Realmente acredito que escrevi essa postagem antes de Dilma ser presidenta do nosso país. Mas o senhor tocou em um ponto muito importante da nossa história. Mais uma vez obrigado pela participação e a paz para o senhor.

      Excluir

Os comentários passam por um sistema de moderação, ou seja, eles são lidos por mim (Randerson Figueiredo) antes de serem publicados. Não serão aprovados os comentários:
- não relacionados ao tema do post;
- com pedidos de parceria;
- com propagandas (spam);
- com link para divulgar seu blog;
- com palavrões ou ofensas a pessoas e situações;

OBS: Se você caro leitor quiser material deste blog para pesquisa ou outra finalidade basta entrar em contato comigo preenchendo o formulário que fica na parte superior no canto direito desta página com o nome FORMULÁRIO DE CONTATO, que o mais rápido possível entrarei em contato com você.